quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Rose

Talvez eu não tenha dito como eu amo
Eu amo de forma simples, sem grandes mistérios
É um sentir, é um pequeno fazer, é uma dedicação de tempo
É a preocupação da manhã, é o beijo do almoço
É o boa noite da noite, é a visualização da madrugada.
Eu amo livre, sem imposição, sem obrigação
Até mesmo porque esse amor dá mais do que qualquer combinação

Talvez eu não tenha dito como eu vivo
Eu vivo livre - até onde sei
Sem esperar julgamento de ninguém
Sem julgar nenhuma pessoa também
Eu vivo inquestionavelmente questionando minhas ações, meus sentimentos, minha própria existência
Às vezes, fico em crise porque questionar suas próprias razões, constantemente, não é algo fácil
Mas, prefiro viver assim a crer que tudo é certo como eu acredito que, agora, seja
Me renovo, busco me melhorar, me inovo
Nada fica parado, exceto a essência de questionar

Talvez não tenha lhe mostrado a minha essência
A essência da liberdade e da inquietação
Que convive pacificamente com a essência da estabilidade e da rotina
É o complexo explicado por este meu caos
É a perfeita junção do que eu fui, como câncer, e do que eu sou, como aquário

Amo estar livre para conseguir amar da maneira mais intensa e mais profunda que minha essência alcançar
Amo poder contar, mesmo que na ilusão da confiança, com a estabilidade da rotina e das pessoas que estão na minha vida

Talvez eu não tenha te falado como eu vou embora, magoada
E como eu sou livre para voltar e começar uma nova caminhada
Talvez eu não tenha te explicado - ou deixado claro
Como o mundo é meu conforto e eu transito por ele com facilidade
Estando ou não perto de todos

Talvez eu não tenha explicado o quanto meu silêncio, estando ao seu lado, representa mais que um discurso de horas e juras de compromisso
Talvez eu não tenha explicado o valor da minha casa, a importância das minhas noites e o tesouro da minha comida
Talvez eu não tenha explicado o que isso vale em uma relação e o quanto isso me é dedicação
O quanto isso é compromisso, o quanto isso é "conte comigo"
Talvez eu não tenha explicado que me afasto, mas eu volto
Que eu me calo, mas eu falo
Que eu me machuco, bem fácil
E que, nessa complexidade caótica, é de quem me machuca que eu espero um colo.

Não sei não ser simples, não ser a vida tranquila, a rotina livre e em paz.

Ou, ainda, talvez, não seja nada disso o que buscavas
Talvez precisasse de mais palavras
Ou ansiavas por joguinhos e algumas emboscadas.
Talvez o amor te signifique juras diárias, conquistas ilimitadas
Sacrifícios e dedicações sem pensar em mais nada.

Não sei. Mas, o que sinto é que aparentemente não fui lida
O que eu dei era leve demais
O que eu dei era simples demais.

Talvez eu, ainda, não tivesse dito que eu estava contigo, me preocupando
Podendo ser o ombro amigo, o carinho no umbigo
Podendo ser um instrumento de incentivo.
Tentei, mas acho que não fui.

Ademais, talvez por fim, eu não tenha dito que te vi como um verdadeiro amigo
Como um homem, como um abrigo, como um parceiro para todos os motivos
Ah! E os limites eram atemporais e não-espaciais. Sempre e para sempre.

A única coisa que posso dizer, agora - porque não tenho palavras para isso
é que algo grande há, que não sei como acontecerá, se acontecerá e nem quando
Mas que, creio, subsistirá - até quando e por quando, não sei quem dirá.

domingo, 27 de dezembro de 2015

Sinestesia # e uma oração

Cheiro do quente do banho e do abraço molhado
Gosto da pele e dormência do beijo
Sensação de vazio e da dormência da vontade
Vibração das vozes e das risadas que o peito invadem
Sonolência de corpos e  firme companhia
Paciência na conversa e nos sons da singular vida
Toque de cores querido e ansiado no destoque cinzento
Sutileza do gosto, combinação única de momentos

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Carx amigx


Eu lembro de quase todas as vezes em que você não falou comigo porque sua namorada tinha ciúmes e não deixava você ter contato comigo. Eu me recordo das vezes em que você deixou de sair comigo porque aquele cara ligou para você, querendo sair em cima da hora.

Guardo na memória as ocasiões em que você me deixou no vácuo no meio de uma conversa porque sua namorada apareceu. Lembro das vezes em que eu te ouvi quando você chorava a superficialidade das relações em sua subjetividade e a ausência de conexões, que tanto nutrem nossas almas - nós sabemos, nós sentimos. Te dei minhas mãos, te dei meu ombro, partilhei contigo o tempo e o dinheiro que eu não podia. Abri meu coração para te abraçar.

Sempre que eu puder, farei isso. Serei, assim, como uma fortaleza em que você poderá se refugiar quando estiver fraco; e que você deixará quando estiver forte. Você sabe disso.

Você pode esquecer de falar comigo. Você pode esquecer do que fiz ou do que posso fazer por você. Você pode nem perceber que eu, talvez, também queira um pouco de você para guardar comigo, porque eu sei que você é genial.

Mas, quando lembrar, você sabe.


sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Brainstorm em dissertação

As pessoas sempre vão se aproximar de você com algum objetivo: porque elas se identificam com você de alguma forma e querem te conhecer mais, ou porque elas se distinguem de você e acabam, dessa forma, às vezes, aproximando-se para refutar suas ideias.

Particularmente, experiencio mais a primeira hipótese e, na verificação da segunda, acabo por eu mesma me afastar porque não me é interessante manter aproximação com nenhuma pessoa que que refutar ideias sem o mínimo de diálogo. Havendo diálogo, ok, vamos conversar.

Ultimamente, algumas pessoas se aproximaram de mim. Algumas vezes, não considerei, de início, questionar-me qual a razão de sua proximidade, considerando que o que eu queria estava acontecendo; os meus interesses eram atingidos - tal proximidade - e é isso que me importava. Mas nesse troca-ganha-perde dos encontros, o dinamismo é muito mais complexo do que isso.

Em algum ponto desses relações, alguém apresenta uma expectativa. E essa expectativa, como já devo ter comentado aqui ou em algum outro lugar, geralmente é baseada em uma projeção do que você acha que a pessoa é ou de como ela vai se portar. Mas, ah, a liberdade de viver é bem maior do que uma expectativa para, quiçá, preencher alguma carência afetiva.

De início, digo "geralmente" porque criamos expectativas baseadas no que as outras pessoas falam. E, vamos lá, não chego a apontar as expectativas romantizadas de "vou te amar eternamente" ou "quero viver sempre ao seu lado". Falo de esperas mais simples, como: "vamos sair neste sábado" ou  "farei um jantar para você". Quando isso não acontece, quando ocorre, sim, um perdido ou uma displicência do que fora combinado, BUM: essa pessoa não tem palavra. Ok, concordo que qualquer imprevisto pode acontecer... mas a existência de uma relação pressupõe a participação de, no mínimo, duas pessoas. Para que isso funcione, nada melhor que diálogo, transparência, atenção. Se não há isso, vamos lá: a pessoa não cumpre com sua palavra, simplesmente; ou, além de não cumprir com sua palavra, ainda acha que a outra pessoa não é digna de qualquer tipo de conversa. É algo que a moral, a mais humanista possível, sabe bem explicar.

E a liberdade de a pessoa falar, omitir-se, ser displicente com ela e com os outros? Bem, a liberdade não é algo que possa ser vista de um prisma linear, exatamente porque há o convívio com outras pessoas. Por essa liberdade, busca-se igualdade (com todas as discussões que envolvem o assunto) e busca-se o mínimo de comprometimento com aquilo que a própria pessoa se propõe a fazer. Se não é capaz de fazer ou não quer, não fale, não se comprometa falaciosamente.

Agora, as projeções criadas por aqueles que idealizam as outras pessoas. Aparentemente, tais pessoas não possuem uma abertura suficiente para se permitir conhecer a outra pessoa; muitas não querem perder tempo, criam a fantasia, se comprometem por algum determinado plano de vida que criou, sozinho, em sua mente, e coloca a outra pessoa no script - e ai se ela não andar conforme o que o monólogo indica.

Diversas discussões originam-se porque não enxergamos a outra pessoa como ela realmente é: queremos que ela se enquadre no que nossa mente produziu com as peças que conhecemos de tal pessoa. E a mente engana porque sempre está sempre nos orientando para aquilo que nos dá mais satisfação: manter-se afastado para não e envolver, criando a figura de uma pessoa ruim; ou manter-se próximo, com a figura de alguém que corresponde a todos os nossos tipos de ideiais.

Muito dizem que vivemos em um mundo em que as pessoas estão vazias. Pode-se até concordar com tal afirmação, mas de forma relativa: as pessoas estão vazias de permissão se conhecerem, de liberdade de amar, de empatia, alteridade - e, sim, serei bem clichê. Mas estão cheias de apontamentos aos outros, de julgamentos, de expectativas que suas próprias frustrações ou necessidades criaram, mas que não conseguem enxergar porque é mais fácil, sempre, culpar o outro.


O que mais ouvimos por aí é "você deve ser assim", "você deveria ter agido de tal forma", "você tem a obrigação de fazer tal coisa". O que menos ouvimos é "faça suas escolhas: mantendo-se consciente, elas te levarão para o melhor lugar par você".

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Senta: lá vem a história



Finados.

Até esse ano, não tinha alguém falecido com que lembrasse com nitidez. Em, 2015, contudo, esse ano de extremos de conquistas e de perdas, lembro vividamente da minha avó, que faleceu no primeiro semestre.

Quando da sua morte/passagem, não percebia o quanto seria atingida por esse acontecimento. Há alguns anos não mantínhamos um contato próximo e nos víamos somente em poucas festividades da família. Mas, o que eu não via e agora sinto com profundidade, era que era ela que unia bravamente nossos familiares.

Além do sentimento de vácuo familiar, envolve-me, desde essa época, um niilismo com que luto diariamente e por conta de tal que me esforço para encontrar sentidos.

Somos tão breves. Somos tão frágeis.

Nessa efemeridade existencial, que, se formos conscientes, veremos nos atacar todos os dias, temos que fazer escolhas. E uma das escolhas mais difíceis que fazemos é o sentido que daremos à nossa vida: qual a cor da nossa vida; qual o seu ritmo; qual a sua direção; por qual objetivo entregaremos nossa existência.

Para pessoas programadas ou que não questionam a ordem e a estrutura das construções que nos são colocadas goela abaixo desde que nascemos, é fácil: segue-se a maré, o fluxo contínuo do rio, a caminhada, entrincheirada, da manada. O sentido é aquele nos nos indicaram; a cor é a que já conhecemos, a do nosso grupo social; o cheiro também é conhecido; bem como os objetivos, geralmente, serão os resignados do "nascer, crescer, trabalhar, reproduzir, morrer", com alguns intervalos de festividades, lazer, reproduções de sentidos aos outros, etc.
 
Mas, para os que ousam manter-se na pergunta infantil "Por quê?!"... ah, a liberdade é imensa, mas a responsabilidade sobre a sua própria vida também o é. E o fardo disso também. Lá na frente, ao olharmos para trás, não indicaremos nosso dedo a alguém em quem imputarmos nossa suposta direção equivocada; estaremos diante de nós mesmos, fazendo o balanço das opções que tínhamos e das escolhas que fizemos. Será a nossa cara que fitaremos quando nos arrependermos de algo; ou será a nossa expressão de alegria de que nos emocionará ao concluir por boas caminhadas.

A morte nos dá o tapa na cara para nos acordar para a nossa vida. Ela paralisa, faz-nos pensar sobre a nossa própria existência. Como sou feita de questionamentos, essa parada é-me dolorida demais. Envolvida, ainda, pela força do meu ascendente aquariano e abandonando a tradição canceriana (n]ao que acredite, mas vai que...), a decisão de qual fluxo injetar toda essa energia é demorada - demanda várias opções, possibilidades, variáveis, hipóteses, fatores...

Mas, apesar da dúvida do que se quer exatamente como sentido da vida, tem-se a certeza do que não se quer como tal. Não se quer palavras vazias, promessas não cumpridas, expectativas em cima de pessoas que não cumprem o que falam ou que são adormecidas para sua própria existência.

Nesse período, convivi como nunca. Aproximei-me de várias pessoas, com o intuito de compartilhar momentos e conhecer o seu sentido da vida. Não cabe a mim julgá-las pelas suas escolhas de vida, mas sei examiná-las no que se refere a minha pessoa.

Ouvi sobre muitos planos, conheci muitos projetos de vida e fui envolvida em muitos deles. Contudo - não sei se é porque estou vivendo demais e meu ritmo está bem acelerado -, as coisas demoraram demais para acontecer, ou não aconteceram.

Muitas pessoas fazem a sua realidade, criam e recriam a sua vida. Outras, somente têm planos - e só.

Disso, tem-se uma certeza que já faz diferença: o sentido macro da vida é a sua própria realização e seu compartilhamento. A sombra e a nebulosidade de projetos de vida não satisfazem ninguém - só alertam para o fato de que a vida passa rápido demais para ficar ao lado de pessoas que não fazem acontecer.

E é aí que eu olho para meu espelho e pergunto: o que EU estou fazendo acontecer?

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Para você, que lerá isso


Na nossa liberdade, me encontrei com a tua identidade
No teu mundinho que geral não entende,
Minha essência tem um ninho, onde dança e sente
que nada disso pode ou deve ser em vão
E, com a livre razão, me tem essa inspiração
De sorrisos, risos e impulsos
Por todos esses fragmentos, que, juntos, me dão visão desse teu mundo
Que me é comum, que me é íntimo
E que me oferece muito mais que um símbolo:
Me dá sentido, me dá profundidade
E uma esperança nessa dura e rasa realidade.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Para você, que nunca lerá isso [2]



Eu saí de mim
Cheguei a ti e me perdi
Passei a me ver com seus olhos
Os quais, focados, não olharam nem para o lado

Fiz dança, cores, desenhei sabores e suei em teu corpo
Mas nada te desfez da inércia
Parecia criança que quer chamar atenção
Daqueles que estão ao redor, no cotidiano turbilhão

Desfaleci na tua casa
Não dormi direito na tua cama
Precisava me recuperar
Me integrar
Me tornar novamente aquelo que eu queria que você visse

Nesse caminho, tornei-me o que não era
Me perdi sozinha, à espera
Largando-me para ser salva por você
Mas minha expectativa de ti
Gigante demais
Destoa a tua existência

Não que seja melhor
Nem que seja menor
Mas que seja sem a minha essência

Percebi que procurei em ti o que via em mim
E, ainda, me livrando dessa projeção
Entendo o quanto, aqui, há desejo do porvir